14/03/2009

Garoto solitario.. Por opção ? Talvez..por pouco tempo

Enfim..
      
                      Ele andava com o pensamento cheio na noite fria, saiu de casa, saiu do lugar silencioso que ja o atormentava, o vento frio batia no seu rosto, ele apenas andava, sem direçao, rumo ou ponto final, apenas andanva   pra ver se a tirava do pensamento. 
                                       Ele nao tinha  presa de voltar   pra casa pois nada o esperava apenas a solidao, entao ele vagava  pela rua, sozinho, solitario.                      Ele não sentia raiva, ele não revoltava mais, sentia apenas a calmaria dentro de si, aquele vacuo sem sentido. 
 Ela partira. 
                E ele não fizera nada pra evitar, a deixara partir sem protestar, sem ao menos dizer adeus. 
                                  E agora a falta dela reclamava la no fundo sua ausensia. Ela tinha ido e levado parte dele consigo. Os carinhos dela que sempre rejeitara agora faziam falta. Os sentimentos que ela insistia em demostrar e que ele nunca correspondera como devia por nao se achar digno, agora queriam falar, gritar o nome dela.                             Agora restava apenas o desejo de te-la de volta, de ouvir sua voz calma. Ele vagava e tentava se desviar do medo. Proprio dele. Ela partira com raiva da sua falta de atitude, da sua indiferença. 
                              Ainda nao era tarde, bastava uma unica palavra e voltaria a encontrar o sorriso dela no meio da solidão. 
                                                 Entrara num bar, pedira uma bebida forte querendo tira-la dos pensamentos em vão. Uma musica tocava no fundo, ele fechava os olhos a   procura dela em seus sonhos. Ele esmurra o balcão com força e raiva de si mesmo. Paga a bebida e sai a vagar novamente pelas ruas, para bem longe da lembrança dela.
                             Porque complicava tanto as coisas pra si mesmo ? Burrice ? Provavelmente. Seria um completo idiota se a deixasse assim quando ja havia perçebido quantos olhares curiosos ela reçebia e não entendia ainda    porque tanto esperava. Pensava ele enquanto continuava o caminho. De nada lhe adiantava ficar pensando em circulos tinha de seguir um caminho e o unico caminho era o que levava a ela. De volta pra casa ele pega o telefone ainda confuso, liga pra ela antes de desistir de novo. 
- Alo ? Ela atende. Enquanto ainda tem coragem ele fala.
- Sinto sua falta. 
             Fora tudo o que ele conseguira dizer...
Agora ela era dele. Enfim.

By Texto: Josi Keller

Nenhum comentário: