01/11/2010

NÃO TIVE CORAGEM. HESITEI, MAS VOLTEI A MINHA VELHA VIDA À QUAL PERTENÇO.

Passando pela rua, vi a janela aberta, e ele estava lá.
Me olhou fixamente, e me disse sorrindo: Entra, amor.
Aceitei o generoso convite, e nos abraçamos.
Beijei seu pescoço macio.
Pegou-me pela mão e me sentou em uma poltrona.
Sentei no seu colo. Acariciei seus cabelos.
Ele beijou meus lábios, pegou-me no colo e me levou para seu quarto.
Despiu-me, deitou ao meu lado e me abraçou, retribui aquele forte abraço e nos beijamos.
Suas mãos percorreram todo meu corpo.
Chupou fortemente meus lábios, beijou meu pescoço.
Beijava e mordiscava minhas pernas, meus pés.
Subia por todo seu corpo, lambendo-o em todas suas partes.
Gemia baixinho.
Fizemos um amor tão gostoso, daqueles que parecem existir apenas em filmes.
Ficou deitado sobre meu peito, brinquei suavemente com seus cabelos, dizendo-lhe palavras doces ao ouvido.
Aos poucos foi adormecendo, e por fim, dormiu suavemente, com sua respiração leve.
O observei por um momento.
Vesti as minhas roupas, fui até a cama onde ele dormia virado de lado, e lhe dei um beijo no braço, outro nas costas e no rosto.
Beijei delicadamente seus lábios.
Saí do quarto, desci lentamente, com os braços abertos.
Caminhei um pouco e fiz o que nunca tinha feito em todos estes séculos. Virei-me para trás, olhando em direção ao apartamento onde eu havia sido amada.
Ele acordara e me olhava pela janela, com os braços em cruz sobre a vidraça. Levei a mão aos lábios que ele beijara e que se molhara de sua saliva e seu mel.
Não tive coragem de jogar o beijo, mas ele entendeu.
Sim, ele entendeu quando virei as costas e olhei a noite à minha frente.
Eu não poderia voltar.
Nem ficar.
Devo ficar com minha vida, e não com este homem que vai viver sua própria vida.
Ele vai ter amores e rompimentos, talvez filhos, esposa.
Talvez se separe, volte a casar.
Quem conhece os rumos do trágico destino humano?
Mas estarei sempre a proteger este homem que me amou.
Não vou deixar que se machuque.
Velarei por ele durante seu sono, quando estiver em perigo, quando a noite chegar.
No momento em que ele morrer, deixarei uma flor em seu túmulo.
Será mais uma perda nesta eternidade que é minha vida.
Suspirei profundamente, senti o ar noturno.
Segui meu caminho, deixando para trás o apartamento e o homem que me amou.
Adeus, meu querido!, pensei. Mas eu vou te ver sempre.
E, caminhando lentamente, entrei na minha velha vida, à qual pertenço.


Algum dia, quando você estiver sozinho.
Algum tempo após toda esta confusão.
Perdido, em algum lugar no vazio.
Eu espero que você encontre esse presente.
Eu espero que você encontre esse presente!
We Belong Together - Gavin DeGraw

2 comentários:

Chica disse...

Qeu lindo e inspirado!Uma semana maravilhosa e tudo de bom,chica

Lu disse...

O seu texto abrajeu tantas questões sabe? O amor e o sexo, como é bom você ter relações com um pessoa que vc ama.
E também descreveu que nem sempre é fácil, não podemos sempre ficar junto. Nem sempre amamos, só o fatod e sermos amada já é algo bom e prazeroso.
Enfim adorei.

bjs