15/04/2011

Seus Traços

Era como se estivesse sendo tocada por nuvens, como se um halito fresco soprasse cada parte sensivel do meu corpo. Apesar de não poder identificar nada naquela escuridão, o clima estava dominado por uma paz incrivel. Sorria eu, enquanto ele beijava minha barriga; entrelaçei meus dedos em seus cabelos, e por mim, continuaria assim por toda a noite. Soprava frio, a quietude da madrugada reprimia qualquer barulho. Eu ainda sentia seus beijos, acho que ainda dominada pelo sono; eu sentia seus beijos, pela minha barriga, pelos meus ombros e braços, logo depois, no queixo e na boca. Ele tinha um gosto maravilhoso, seu cabelo entre meus dedos era tão macio. Suspirei, enfim, desperta. Ele me abraçou contra seu corpo, e seus labios frios ainda me beijavam. Logo depois eu estava inteiramente encostada em seu corpo, agarrada a ele, enquanto acariciava meus cabelos. Não eram toques excepcionalmente sexuais, era simplesmente carinho, necessidade de tocar um ao outro, e a calmaria que isso acarretava. O beijei delicadamente no peito, como se procurasse captar o gosto dele em minha boca. Com a mão, tentava toca-lo no pescoço, no braço, barriga e no quadril, para aproxima-lo de mim. Depois, continuamos assim, carinhos na calada da noite, e o silêncio entre nós. Nenhum de nós dois queria falar; não queriamos palavras para tentar decifrar tal momento, ou até mesmo palavras não expressavam tal prazer do ato. E isso era mutuo.
Mas não me entenda mal; não estou tentando decifrar um momento de apaixonados. Ou talvez seja, mas o que tento relatar, é a simplicidade que tudo isso acontecia, como era simples tal prazer, e ao mesmo tempo tão imensas as sensações.
Suspirei fechando os olhos, no começo, sentindo o cheiro intoxitante do perfume e do corpo dele, para depois acordar caindo da cama.
Mesmo sonhando, eu tentava puxa-lo para perto de mim, sentir seu corpo.
O meu primeiro pensamento depois de relembrar o sonho e de tal constantação foi:
"Seria muito melhor sonhar com ele, sabendo quais seriam os traços do seu rosto."

2 comentários:

Juliana disse...

Nossa, de verdade, adorei o texto, me senti complatamente envolvida. Lembrei-me das minhas aulas de redação, em que a professora falava da importância da chave de ouro de um texto, e o teu superou todas as expectativas. Que chave de ouro, hein!

Beijos e parabéns!!!

Cassia disse...

Visitei sua casa

Visite a minha também
O endereço é:

http://verdorinvisivel.blogspot.com/

Beijos