30/07/2012

Apenas mais um dia

          Era fim de tarde, o sol já se escondia e o barulho ensurdecedor do trânsito anunciava o fim do expediente de trabalho e o começo do engarrafamento. Meus olhos verde musgo passavam pelo bar, que até este momento havia apenas pessoas solitárias e seus drinques, como eu.
          Volto a atenção para o meu drinque. Vozes altas e risadas entram no bar, chamando a atenção das pessoas. Um grupo de rapazes de terno, empresários eu diria. Sentaram-se os três ao longo do balcão ao meu lado, porém eu fingia não os notar. Começaram a dialogar, era impossível não os escutar. Típicos jovens empresários. Falavam da bolsa de valores, empresas, patrões, futebol e mulheres. Um sorriso irônico surgiu na minha face. Claro! Não podia faltar o assunto mulher entre os homens.
          A conversa ao meu lado continuava. Já tinham bebido duas ou três rodadas, não me lembrava mais.
          Já era noite em São Paulo, porém ainda continuávamos ali após um dia estressante de trabalho. Eu estava apenas observando e algum tempo depois as risadas e as vozes ao meu lado foram diminuindo. Os rapazes se despediram, entretanto um continuou no bar. Pediu mais um drinque e pela primeira vez me notou ao seu lado.
          - Dia difícil? Ele me perguntou. Eu apenas sorri.
          Terminei a minha bebida e continue em silêncio.
          - Fui despedida. Eu falei a ele.
          Quando o olhei, ele tinha um sorriso cúmplice na face antes de me dizer:
          - Me divorciei.
          Não houve mais palavras, não era necessário. Eramos apenas duas pessoas afogando as magoas ou perdidos em seus próprios pensamentos. Talvez seja o bar inteiro.
          Me levantei e deixei o bar. Era apenas mais um dia. Sorri cúmplice para a noite, e fui para casa andando dessa vez. Apenas mais um dia.

Um comentário:

Emilie S. disse...

há uma espécie de alívio quando encontramos outras pessoas que estão em situação parecida com a nossa...
Emilie Escreve || Fanpage || @blogabs