11/11/2012

Vibrações

04:15 da manhã, meu olhos fitavam o vazio enquanto a aguá quente do chuveiro caia sobre minhas costas, minhas pernas falharam e eu fui obrigada a sentar no chão frio, encostar minha cabeça na parede e me imaginar chorando. Não tinha lagrimas, apenas nostalgia como ondas..
A noite havia sido intensa, longa e ao mesmo tempo curta, mas principalmente assustadora. Minha cabeça entrou em colapso, meu corpo reagiu e um frio na espinha me dominou quando eu senti algo que jamais havia sentido, algo que talvez seja aquilo que eu imaginei não existir e isso me assusta.
Imaginei que dormir seria a solução, aí eu descobriria que tudo foi uma mentira, que havia ficado em casa naquela noite. Mas eu acordei e percebi que ainda pensava em tudo e que meu corpo ainda vibrava.

2 comentários:

Thiago de Sá. disse...

Gosto de ler os detalhes do cotidiano, as sensações que muitos deixam passar... Gosto de ler "eu fui obrigada a sentar no chão frio, encostar minha cabeça na parede e me imaginar chorando.". Parabéns pelo texto.

Indy. disse...

Acho linda a sua maneira de escrever... Amo as suas palavras tão sultis... Tenha um ótimo fim de semana, flor!
beijo =)