21/06/2015

Querida Lola 4,

Descobri porque nos últimos tempos imagens de estrada me encantam tanto, mais do que antes, mais do que o normal. Porque eu quero fugir!
Eu sempre quis fugir. Você deve se lembrar de algumas das tantas vezes que eu traçava planos para lugares distante e ideias que me levavam mais distantes ainda. 
Nos últimos dias vi uma citação que me paralisou, ela dizia mais ou menos assim a uma pessoa especifica: "A sua vida não é simples Fiona, e você não pode se esconder porque você não é fake. Você não está perdida, você não precisa se encontrar,". Ai eu pensei... eu poderia ser a Fiona? E eu senti que talvez eu não esteja perdida também. 
Eu nunca quis fugir diretamente das pessoas, tanto que, fugindo ficaria distante das pessoas que mais amo. Eu entendo que meus pais justamente por me amar, me querem bem e por perto.  Eu nunca quis me apegar a mais ninguém pelo simples fato de acrescentar pessoas a lista de quem eu supostamente ficaria longe. Acho que esse apego sempre me deu medo, porque as vezes ele prendia e sufocava, e eu sabia que eles não faziam por mal, pois pensavam em mim em primeiro lugar. Peço perdão por soar ingrata, me sinto culpada de tal forma que remediaria de toda a forma possível para consertar este delito, e a única forma que tenho de explicar, e explico-a com muita dor, é, não me sinto bem quando pegam pedaços do meu coração e tentam aprisiona-lo, doí de uma forma inimaginável. 
Agora, neste momento em que escrevo estas palavras, noto que sempre quis alcançar a liberdade, mas eu não sabia o real sentido... Percebo agora, a liberdade que eu sempre quis descrever, era como borboletas no estômago sabe... quando a gente fica bem feliz e sente tudo flutuar por dentro... encantar corações, ser encantada, fazer o bem, receber o bem, adquirir varias borboletas, proporcionar a alguém varias borboletas... de forma livre, de ir e vir, pois esta liberdade te faz ficar de coração limpo e livre.
Toca Hallelujah de Kate Voegele no rádio agora. Essa música sempre me faz ter pensamentos e sentimentos nostálgicos e algumas vezes angustiantes, Eu coloquei o player para repetir a mesma música. Quando a angustia me vem, ela me cobre, me inunda.
Tenho a inocência de viver dias ensolarados de coração livre, e conviver com pessoas com borboletas a oferecer. Sou realista, sei que sempre teremos pedaços perdidos eternamente, outros roubados, mas acredito que qualquer pedaço existente pode brilhar, receber e passar borboletas.
Nós somos almas de laços eternos, de um amor real, de um 'eu faria tudo por você'. Por tanto tempo compartilhamos essa liberdade, trocando borboletas, e compartilhando a vida, de coração limpo.
Desde que me conheço, eu sempre quis fugir, mas fugir também me doía. É difícil explicar, mas só sei que doía ficar e doía partir. Então aprendi, que existem coisas de que não se é possível fugir, não importa a distância física ou o contato.
Você sempre me ajudou a, de pouco a pouco, libertar pedaços do meu coração aprisionados em um outro. Eu vi meu coração sendo iluminado e encontrei a liberdade que almejo, que sempre almejarei. Mas agora... Querida Lola, não aprisione um pedaço do meu coração também. Te quero bem e perto, me queira bem também.
O amor pode doer, mas ele também ilumina.

Nenhum comentário: