06/06/2015

unexpected dream


"Ansiosa, era como eu me sentia. Eu segurava na mão do meu amor, talvez meu marido, o olhei de relance e o presentei com um sorriso. Andávamos um pouco atrás de uma garotinha em direção aquela casa linda de madeira entre jardins enormes. Nós entramos na sala, uma casa moderna e aconchegante, era tudo tão lindo, tão eu. O tempo/espaço mudou, e agora estávamos eu e a garotinha sentadas em uma cama de um quarto pintado de branco todo decoradinho para uma menininha. Estávamos de frente uma para outra, e eu me lembro de tocar seus cabelos... como eles eram macios. De onde eu estava, eu podia ver meu amor na cozinha. Eu sorri. Ela conversava comigo, conversava desde a antiga casa, os amigos, sobre o cachorrinho e o mar imenso que conheceu. Eu escutava tudo com atenção, só sorria e me sentia feliz, de um jeito desconhecido... Eu me lembro de um dialogo, o único. A garotinha virou para mim e disse "posso ter acesso a internet e acessar todas as coisas legais?". Lembro-me de ter ficado seria e dito "confiança gera confiança, se eu puder confiar em você, sobre suas duvidas e suas pesquisas, você pode ter esse acesso. Posso confiar em você?" E ela sorriu, me garantiu que queria ser minha melhor amiga, e que conversaríamos de tudo. E a gente continuou conversando. Eu sorria e me sentia completa. É isso. Completa. Transbordando de carinho, amor e felicidade. Lembro-me de ter tido um sentimento tão lindo e tudo ao meu redor tivesse se tornado em segundo plano, como se aquela garotinha fosse uma das partes principais da minha vida, e que por ela, eu queria fazer todo o melhor, ser todo o melhor. Ela era luz para mim." 
E o sonho acabou. O sonho acabou. Eu abri os olhos e ainda sentia um pouco de toda aquela luz, e aquele sentimento intenso dentro de mim. 
Foi um pouco apavorante... Imaginar tudo o que nunca existiu ou ousou existir em meus pensamentos foi um pouco apavorante. Eu não considerava que nada disso faria parte da minha historia, dos meus desejos, do meu futuro. Mas estava lá no meu sonho. Foi como um filme. De alguma forma, eu tinha a casa que sempre quis, o amor que me fazia sentir em casa, e eu estava voltando para minha garotinha. Eramos uma família, que se manteve separada da menininha de alguma forma, mas estava começando tudo juntos. Eu sonhei com uma família feliz. Eu sonhei com uma família com ele. 
Isso me apavorava... Mas eu ainda sentia um pouco daquele sentimento intenso dentro de mim. Não sei. Não sei. Eu fiquei assim por algumas horas, rolando na cama, pensando na possibilidade, na ideia disso tudo. Era apavorante, mas era intenso.
Talvez eu não seja tão fria afinal. Pelo menos meus sonhos não eram mais.
Pensando bem, eu não sei dizer a idade da menina, com quantos anos ela aparentava. 
Não me lembro da cor dos olhos dela. 
O que mais me deixa triste é que eu não lembro da cor dos olhos dela. 

Nenhum comentário: