28/04/2017

blurry

...
Lá fora há flores e pássaros cantando. Venta forte. Tudo começou com um bonito dia de verão, até que se transformou em uma tempestade. 
Olhando para frente. Por este vidro da janela que tento insistentemente limpar, olho a vista lá fora. A chuva está passando, mas os raios e o céu escuro relembram quão triste o céu estava apenas há pouco tempo atrás.
Dentro desta casa, cheira mofo, há itens espalhados como uma grande bagunça
O que me leva a pensar em nós. Um quebra cabeça onde as peças se perderam. Não fui. Não fomos. Não somos. Ficam pedaços, memórias, angústias, sorrisos, tristezas. Reticências.
Não há perguntas como "quem eu sou", "o que fazer agora", "para onde vou". Há certezas. A gente vive. A cada novo minuto vou descobrindo como, em um terreno totalmente desconhecido.
É possível ver a luz do sol por entre as nuvens. As flores mais coloridas com gotas de chuva. E o vidro da janela continua embaçado.
Me afasto da janela e pego um copo de trás do sofá e uma blusa que esta na mesa. Preciso começar por algum lugar. Vou arrumar a casa.

Nenhum comentário: